O HabLatam é um projeto regional na América Latina que será implementado em sua primeira fase no Brasil, Uruguai, Argentina, Chile e Colômbia. Por meio dele buscamos:

  • Obter e publicar de forma aberta e acessível dados de qualidade, sobre práticas diárias e percepções da juventude em relação às suas habilidades digitais e lacunas de conteúdo.
  • Desenvolver e implementar métodos inovadores e participativos que capturem as perspectivas, práticas e aptidões dos jovens, evitando olhares e práticas adulto-centradas.
  • Gerar evidências a partir de experiências em diferentes países, para avançar na pesquisa, na formação de recursos humanos e contribuir para a melhoria na formulação de políticas educacionais nos níveis nacional e regional.
  • Focar nas habilidades digitais, uma área chave que permite que os jovens aproveitem os benefícios da Internet e também possam gerenciar melhor os riscos e evitar os danos associados.
  • Investigar os fatores relevantes (capacitadores, barreiras, motivações, etc.) para participação de jovens e seu envolvimento cívico.
  • Abordar de forma colaborativa a lacuna de conteúdo on-line (em termos de disponibilidade e qualidade), com foco na perspectiva de gênero, para possibilitar a criação de conteúdos que sejam realmente relevantes e de qualidade para os jovens.
  • Gerar conhecimento sobre como os jovens consomem, selecionam, conferem e compartilham informações, para compreender a melhor forma de enfrentar o desafio da desinformação que circula nas plataformas digitais.
  • Promover a transferência de conhecimentos e resultados de pesquisas para as comunidades escolares, especialmente educadores, pesquisadores de nível regional e geradores de políticas públicas / educacionais.
  • A articulação com grupos de pesquisa internacionais, dos quais a maioria tem experiência trabalhando em conjunto no campo, contribuindo para a consolidação de redes que promoverão a sustentabilidade, replicabilidade e escalabilidade do projeto.
  • Formação de recursos humanos nos diferentes países em que o projeto será implementado (tanto em oficinas de co-design nas escolas públicas quanto no treinamento de monitores) e a acessibilidade dos insumos gerados a partir desses processos de capacitação, permitindo sua replicação.